Início / Últimas Notícias / Google quer autorização para divulgar informações solicitadas por serviço de inteligência dos EUA

Google quer autorização para divulgar informações solicitadas por serviço de inteligência dos EUA

Em reação às notícias sobre a existência de um programa que permite aos serviços de segurança dos Estados Unidos monitorar telefonemas e e-mails, a empresa do setor de internet Google pediu às autoridades norte-americanas autorização para tornar público um relatório sobre as informações de usuários que repassou, a pedido, ao governo Barack Obama.


Outros envolvidos no assunto, como a Microsoft e o Facebook, já fizeram isso ou estudam adotar a mesma medida. Todas, no entanto, negam que tivessem conhecimento prévio sobre a existência do programa Prism (sigla em inglês para Métodos Sustentáveis de Integração de Projetos).


Em um comunicado enviado ao secretário de Justiça, Eric Holder, e ao diretor do FBI (a Polícia Federal norte-americana), Robert Müller, o diretor jurídico do Google, David Drummond, sustenta que a divulgação de um relatório permitirá à empresa provar que o número de pedidos atendidos, principalmente, os de quebra da confidencialidade, é muito menor do que o que vem sendo divulgado pela imprensa mundial.


“O Google não tem nada a esconder”, garante Drummond no comunicado. “Nossos números mostram claramente que o cumprimento dos pedidos está muito aquém do que vem sendo solicitado [pelos serviços de inteligência norte-americanos]”, informa o diretor jurídico na nota, admitindo que a empresa atendeu à parte das solicitações feitas pelo governo com base na chamada Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (do inglês, Fisa).


“Sempre deixamos claro que atendemos aos pedidos legalmente válidos. As afirmações [divulgadas] pela imprensa de que o cumprimento desses pedidos garante ao governo dos Estados Unidos livre acesso aos dados de nossos usuários são simplesmente falsas”, completou o representante do Google, acrescentando que a empresa é proibida por lei de revelar, sem a autorização do governo, o número de pedidos feitos pelos serviços de inteligência, bem como a identidade dos usuários ou o teor dos dados fornecidos.


As informações de que a Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (do inglês, NSA) e o FBI tiveram acesso direto ao banco de dados de empresas dos setores de internet e telefonia vieram a público na última sexta-feira (7), por meio de matérias publicadas pelos jornais The Guardian (britânico) e The Washington Post (norte-americano). De acordo com as duas publicações, as companhias sabiam do acesso dos agentes de segurança aos seus servidores.


As revelações abriram um debate sobre a relação entre privacidade e segurança nacional. No mesmo dia da publicação das matérias do The Guardian e do The Washington Post, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apressou-se a negar que as conversas telefônicas ou o conteúdo dos e-mails de cidadãos norte-americanos estivessem sendo verificados. Obama garantiu que o Congresso autorizou a execução do programa de vigilância das comunicações e disse que, com os Estados Unidos ainda sob ameaça de ataques terroristas, é indispensável ao país firmar um “compromisso” entre segurança e vida privada.


Ao ser perguntado sobre o assunto, na segunda-feira (10), o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, também declarou  que o serviço de inteligência de seu país, o GCHQ (do inglês, Government Communications Headquarters) só age “dentro das leis”.


Agência Brasil

Leia também.

Ministro ameaça fechar hotéis que cobrarem preços abusivos durante Copa das Confederações

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, anunciou hoje (13) “tolerância zero” para abusos de preços …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *